Algumas mulheres com sobrepeso encontram dificuldade para engravidar por conta do ciclo hormonal. É fácil entender como acontece.

O tecido adiposo produz substâncias chamadas adipocinas, que influenciam a boa comunicação entre as células do corpo. Com essa comunicação dificultada, fica mais complicado executar corretamente as suas funções; essa influência pode inclusive ser exercida sobre as regiões do cérebro responsáveis pelo controle do ciclo ovulatório.

O tecido adiposo em excesso é considerado tóxico para o organismo porque também permite que a gordura seja estocada em diferentes células e tecidos, inclusive nos óvulos, afetando a sua qualidade.

Gordura corporal em excesso interfere diretamente  no ciclo hormonal feminino e causa um sério desequilíbrio. A mulher passa a produzir mais estrógeno (predominância estrogênica) e o corpo reage "controlando" a reprodução e dificultando, assim, as chances de engravidar. O que também pode prejudicar, são doenças relacionadas a obesidade, como a diabetes, resistência insulínica e síndrome do ovário policístico.

Além disso, obesidade é uma das causas de disfunção menstrual, que pode causar menstruações irregulares ou com intervalos maiores do que 35 dias (oligomenorreia), ausência de ovulação e até sangramento disfuncional do útero.

Perder peso pode significar a recuperação das capacidades reprodutivas.

Procure seu médico para maiores informações.

*Obstet Gynecol Clin N Am 39 (2012) 479–493
Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014